Arquivo para junho, 2011

Agora

Posted in Uncategorized on 30/06/2011 by Geraldo Maciel

A insistente ignorância daquilo que nos rodeia mas

que não se quer ver

nos leva

                a um mesmo destino

                                                          que

                                                          (para além de não o querermos)

nem sabemos se nos será dado conhecer

nos leva

               a um mesmo destino

                                                          repleto de concreto e

                                                                        sem abstrações

E as coisas permanecem sempre as mesmas

                                                   sempre

                                                   sempre

                                                   sempre habituadas à insistente ignorância

daquilo que nos rodeia mas

                 que não precisamos ver

A insistente ignorância daquilo que nos rodeia

nos leva

                 à inexistência

                                             que bate à nossa porta

                                             insistentemente

                                            e nos torna

                                            o que somos e o que não somos

                                                                                                            sempre

Anúncios

New adventures in Technicolor

Posted in Uncategorized on 22/06/2011 by Geraldo Maciel

Lembra quando o Mick Jagger cantava numa música dos Stones que queria tudo pintado de preto?

Pois é…

Entre todas essas cores e toda essa alegria que andam por aí,

Em meio a todos esse sentimentos que se revelam não mais do que enganos,

Transitando entre a falsa leveza de coisas fugazes e desimportantes,

Estamos nós.

Nós e nossa escuridão.

Nós e nossa consciência.

Nós e nossas frustrações.

 

Por que fingir que tudo está bem, se as coisas não são assim?

 

Vamos também tingir de preto e cobrir com uma tristeza pesada e essencial tudo aquilo que é maquiado para parecer feliz.

Sejamos sinceros e tristes e autênticos,

sem nada que cubra nossos rostos e nos esconda os olhos.

 

Sejamos quem devemos ser,

contanto que sejamos nós.

Monocromáticos, mas reais.

Sem o bom-mocismo que faria de nós lugares quaisquer

e nos impediria de correr contra tudo aquilo que oprime e emudece.

 

Sejamos apenas

uma explosão e o fim.

Em cada poema

Posted in Poemas on 20/06/2011 by Geraldo Maciel

Já disseram que em cada poema há uma gota de sangue.

Realmente há.

Mas há também lembranças que não queremos mais,

histórias que jamais voltaremos a contar,

dores que não conseguimos descrever muito menos esquecer,

raiva, angústia, frustração.

 

Em cada poema, há tudo que fomos e queremos ser,

tudo que somos e o que não poderíamos querer.

Um pouco de todas as canções

(inclusive daquelas que nos machucam como uma navalha afiada ao máximo cortando nossa pele),

um pouco de todo o vazio.

 

Como esse vazio pode ser impenetrável.

Como essas canções podem ser surdas.

Há o poema.

A palavra inaudita

Posted in Uncategorized on 19/06/2011 by Geraldo Maciel

e há aqueles dias

em que falta

 

a palavra certa

a palavra que não foi

e não será

dita

 

a palavra inaudita

o olhar indevido

a solidão interminável

o conforto negado

 

e há aqueles dias

em que falta

 

o segredo

a ruptura

a insensatez

o silêncio

 

uma canção não traduzida

uma poema não construído

uma carícia não desenhada

um vazio que jamais poderemos preencher

um vazio que jamais poderemos preencher

um vazio que jamais poderemos preencher

 

e as palavras

essas

em tempo algum serão ditas novamente