Arquivo para março, 2013

Gotas

Posted in Poemas on 25/03/2013 by Geraldo Maciel

Enquanto a água cai

sobre tua pele,

meus olhos se perdem

em teus detalhes,

mesmo que não estejas aqui.

 

Imagino teu rosto

e as gotas te acariciando.

Eu sinto,

eu quero o indefinível,

o indecifrável.

 

Enquanto a água escorre,

meus olhos se enchem,

e eu sei que quando tocas teu próprio corpo,

crias uma imagem

que não tem mais volta.

 

E eu te amo

em cada gota

que se esvai.

Ubiquidade

Posted in Poemas on 20/03/2013 by Geraldo Maciel

Nesse momento,

a cidade toda tem o seu cheiro.

Ele se espalha

incontrolavelmente

e chega a lugares inimagináveis.

É doce como seu nome.

Ao mesmo tempo é ácido

daquela forma que se prende a quem sente.

Isso não se explica,

mas seu cheiro

está nos livros,

está nos discos,

está no ar,

e corre para dentro das casas,

das lojas,

das pessoas.

Seu cheiro

está em todo lugar –

inclusive em mim,

principalmente em mim.

Simples

Posted in Poemas on 16/03/2013 by Geraldo Maciel

Se algum cara um dia chegar pra você

e disser que você é linda

e que faria tudo pra ficar com você –

não acredita não.

 

Se algum dia você ouvir de alguém

que você é perfeita

e que seus olhos atraem como o mar –

finja que não ouviu.

 

Se algum dia alguém disser

que não há ninguém como você

e que vai virar o mundo por sua causa –

é mentira barata.

 

Se olharem para você e perderem as palavras

é porque não entendem o que você é.

 

Só acredita em mim

porque sou eu que te amo

porque é pra mim que você é perfeita –

e sou eu quem vai te fazer feliz.

 

Só acredita em mim

porque os outros não são nada

porque eu conheço seus detalhes –

e sou eu quem vai te fazer feliz.

 

Só acredita em mim

porque você é linda e eu farei tudo pra ficar com você

porque você é perfeita e seus olhos me atraem como o mar

porque não há ninguém como você e eu vou virar o mundo por sua causa.

 

Só acredita em mim

porque não há mais palavras pra dizer como eu vou te fazer feliz.

nós

Posted in Poemas on 14/03/2013 by Geraldo Maciel

poderão existir novas palavras novas canções novos poemas ou mesmo novas formas de arte impensadas até então

poderão existir novos verbos e poderá o mundo começar novamente se todos juntos pressionarem a tecla que faz tudo explodir

e mesmo que esse recomeço venha repleto de promessas de que tudo vai ser melhor do que é agora

e mesmo que surjam novas ordens e tudo esteja reorganizado de forma que as pessoas sejam menos insuportáveis

não haverá uma palavra uma nota uma história que possa traduzir a perfeição que permeará nossos momentos

não haverá ventos chuvas verões que possam desenhar mesmo que de maneira simples tudo que sentimos há tempos

 

em suma: jamais haverá qualquer expressão que possa descrever o que somos nós.

Chuva

Posted in Poemas on 11/03/2013 by Geraldo Maciel

Você está

em cada uma das gotas

de chuva

que vejo pelo vidro.

 

Você está

em todos os lugares

que antes eu imaginava

estarem perdidos.

 

Não vamos esperar a chuva passar.

Não vamos esperar a vida nos engolir.

Não vamos deixar nossos versos se calarem.

Não vamos deixar o improvável acabar.

 

Apenas queira estar

em cada gota de chuva que cai sobre meu rosto.

 

Novos versos nascerão,

com outros dias, outras nuvens.

 

E tudo será sobre você.

Acasos

Posted in Poemas on 10/03/2013 by Geraldo Maciel

Não quero perder você de mim

da mesma forma como não vou me perder de você.

 

Quero antes

me perder em você:

em cada linha,

em cada poro,

em cada sinuosidade de seu corpo.

 

Mesmo com todo o peso,

com tudo que nos torna impossíveis,

seus olhos nos salvarão,

e não mais nos interessarão os verbos,

os hiatos

e as interrogações.

 

Nada vai me perder de você

pois havemos.

 

O mundo é só o mundo, amor,

e não está à nossa altura,

pois somos mais

enquanto juntos.

 

E sempre estaremos

e seremos vivos em nós.

 

Não importa o que há agora.

Tudo isso vai explodir,

ruir,

e teremos que com novas armas iniciar nossa própria reconstrução.

 

E assim teremos novas verdades

pintadas de outras cores

(vermelho, certamente)

cinematográficas, poéticas.

 

Com tudo isso,

novamente

aprenderemos a respirar.

(e sua presença inundará o ar)

promessas

Posted in Poemas on 10/03/2013 by Geraldo Maciel

todas as promessas

foram feitas para ser quebradas

então

não façamos promessas

 

apenas saibamos

que nós vamos viver cada dia como se a vida fosse acabar

que a eternidade é mínima e cabe no minuto

que precisamos nos amar baixinho todas as manhãs

que gritos são precisos em momentos cruciais

que a cada dia podemos reafirmar nosso amor

que enquanto você quiser haverá poemas para você

que você quererá um poema novo a cada dia

que olharemos nossos olhos e não precisaremos de poemas

que deixaremos marcas indeléveis em nossos corpos

que nossas bocas não cansarão de se encontrar

que nossos dedos conhecerão cada detalhe de nós

que a vida é muito curta para não aproveitarmos nossa respiração

que nada será melhor do que os nossos sonhos

que sonhos não precisam ser sonhos

 

e por fim

apenas saibamos

que enquanto quisermos o que queremos

estaremos prontos

para sempre querermos mais